Com o surgimento na Europa de cidades inteligentes e centros de inovação orientados por dados, o seu potencial tornou-se indiscutível. Em particular, o valor dos dados recolhidos pelo sector público adquiriu relevância e atenção nos últimos anos.

A Open Data serviu como um meio de promover políticas mais próximas em toda a Europa e uma melhor participação dos cidadãos nos processos decisórios do seu país, bem como o aumento da transparência das despesas públicas.

A Open Data tem sustentado o desenvolvimento de processos e atividades no contexto de mobilidade mais inteligente e cidades conectadas. Além de possibilitar a função de monitoramento da sociedade civil através da coleta de todos os dados relativos a gastos públicos, propriedade, salários de funcionários públicos.

Em suma, a Open Data tornou-se um facilitador para a inovação e o conhecimento no mundo de hoje.

De acordo com um estudo publicado pela Capgmini, a maturidade da Europa em relação aos dados abertos pode ser dividida em quatro aspectos relevantes: política, portal, impacto e qualidade. Os achados enfatizam a proeminência de alguns países europeus que, em tempo hábil, entenderam o valor que pode ser derivado dos dados abertos e tomaram medidas estratégicas para captar e nutrir esse potencial.

Política de dados abertos

A dimensão que a política de dados abertos pode atingir concentra-se em políticas específicas a nível nacional para a gestão de dados, regras de licenciamento existentes e o âmbito de coordenação no que diz respeito às orientações e abordagens comuns para permitir o desenvolvimento em todo o país.

  • Quadro político:

O primeiro indicador desta dimensão centra-se nas políticas nacionais do Open Data, e vale a pena notar que todos os países da União Europeia, excepto a Suécia, têm um regulamento dedicado aos dados abertos, em vez disso, a Suécia tem uma longa tradição em termos de prestação de acesso público a documentos oficiais aos seus cidadãos.

  • Coordenação a nível nacional:

O segundo indicador analisa a existência de iniciativas e diretrizes a nível nacional que incentivam a publicação de dados abertos no país e a medida em que os esforços são feitos a nível nacional para promover o desenvolvimento de iniciativas locais ou regionais em Campo de dados aberto.

Este indicador também explora os esforços para permitir a interoperabilidade de dados, bem como para impulsionar a publicação e reutilização. Ele também avalia se os planos de publicação de dados existem e se o progresso em relação a esses planos foi rastreado.

Um benefício importante de integrar portais locais ou regionais em portais nacionais é a visibilidade e a descoberta melhoradas e então o acesso aos conjuntos de dados publicados pelas administrações diferentes de um país.

O tamanho dos países é também um elemento crítico que determina o nível de coordenação. Isto é necessário a nível central, onde países como Chipre, Estónia, Letónia, Luxemburgo, Malta e Eslovénia, que são menores e com estruturas de governação menos complexas, podem não ter de ser garantidos regiões e níveis locais. Na maioria destes casos, o número de organismos públicos que operam no país é baixo e não existem outros portais de dados abertos para além do nacional.

No que diz respeito à existência de um seguimento das administrações públicas que os impõe acima dos custos marginais os dados estão disponíveis para reutilização, apenas 16 países (Áustria, Bélgica, Croácia, Chipre, Dinamarca, Estónia, Finlândia, França, Grécia, Itália, Luxemburgo, Países Baixos, Eslováquia, Eslovénia e Suécia) têm um mecanismo instalado em 2018.

  • Regulamentos e licenças:

O terceiro indicador refere-se à medida em que as directrizes são implementadas para garantir que encontro de dados publicados senta-se na definição de aberto em ambos os termos, ser livre de quotas e, mais importante, fornecer informações claras sobre os termos e condições as quais os dados podem ser reutilizados, facilitando este incerteza e incentivando a sua reutilização imediata.

15 países (56%) declararam em 2018 que todos os seus dados publicados são livremente acessíveis (Áustria, Croácia, Chipre, República Checa, Dinamarca Estónia, Finlândia, França, Itália, Letónia, Luxemburgo, Países Baixos, Polónia, Portugal e Eslovénia). Em 9 outros países representando 33% (Bélgica, Bulgária, Grécia, Irlanda, Lituânia, Roménia, Eslováquia, Espanha e Suécia) 90-99% dos dados são acessíveis de forma gratuita. E, finalmente, o Reino Unido e Alemanha, onde esta percentagem é ligeiramente inferior e varia de 75% a 89%.

Em termos de licenças recomendadas, enquanto alguns Estados Membros desenvolveram seus próprios termos de licença (Alemanha, França, Romênia ou Reino Unido), outros promovem o uso de licenças do CC Suite.

O portal de dados abertos

Em 2018, 26 países europeus têm um portal nacional de dados abertos. Malta está atualmente em processo de desenvolvimento de um portal, como parte da estratégia de gerenciamento de dados corporativos que está atualmente implementado no país.

  • Características do portal:

O primeiro indicador analisa as funcionalidades fornecidas pelos portais nacionais de dados abertos aos usuários. Ele leva em conta os recursos padrão e mais avançados do Portal.

Os 26 portais nacionais caracterizam a busca avançada, uma característica que permita que os visitantes procurem pelo domínio de dados ou formato de ficheiro. Por outro lado, todos eles oferecem a possibilidade de os usuários baixarem os conjuntos de dados vinculados no Portal.

  • Usando o portal:

O segundo indicador na dimensão “portal” refere-se à métricas de utilização do portal, como o número de visitantes únicos, a percentagem de visitantes estrangeiros, perfis de utilizador típicos, conjuntos de dados mais consultados e domínios de informação populares, tráfego gerado através da API do portal, etc.

Ele também investiga até que ponto o conhecimento adquirido através das ferramentas de análise é usado no processo de atualização do portal. É importante monitorar esses números para entender melhor os usuários do portal e seu comportamento ao acessar o portal, bem como obter informações sobre o tipo geral de visitantes que o portal atrai. Ele permite que os proprietários do portal verifiquem o design e os recursos, assim como os dados disponíveis atendem às necessidades dos usuários.

Em um cenário ideal, o conhecimento analítico adquirido (por exemplo, tráfego de API, consultas SPARQL feitas, número de visitas a determinadas seções do portal e tempo de permanência) pode ser usado em decisões sobre quais recursos devem ser incluídos ou potencialmente removidos.

Ao longo 2018, os proprietários do portal parecem ter percebido a importância de compreender seu público Portal. Enquanto em 2017 apenas 39% dos portais utilizou a ferramenta de análise para obter informações, em 2018 o número duplicou para 92%.

Indo um passo adiante, 20 dos 23 proprietários de portais usando ferramentas de análise indicaram que o conhecimento adquirido também flui através do processo de atualização do portal (exceto Bélgica, Croácia e Lituânia). Esta é uma visão encorajadora, pois mostra que os proprietários do portal se tornaram mais conscientes da importância de compreender o seu público e tentar satisfazer as suas necessidades.

Além disso, não parece haver uma correlação entre o nível de maturidade de um país (e implicitamente o vencimento de seu ecossistema de dados abertos) e a porcentagem de tráfego que ocorre por meio da API. Somente na França (3º classificado em 2018) você pode ver uma correlação positiva, com o tráfego gerado através da API atingindo 65%.

Olhando para a imagem de forma mais ampla, o tráfego gerado através da API difere significativamente em toda a Europa, de 65% na França, para 28% em Chipre e para 20% na Holanda. Em Áustria, em Bulgária e em Luxembourg, os números alcangam somente 10%, quando em Spain (segundo lugar em 2018) o tráfego de API representa somente 1%.

Parece razoável supor que os proprietários do portal gostariam de compreender melhor quem e como suas APIs são usadas através desses registros. Além disso, quando se trata de melhor capturar o uso de um portal, também é importante olhar para o número de visitantes únicos por mês. Em 2018 apenas a Dinamarca, a República Checa e Portugal não puderam fornecer tais estatísticas.

  • Provisão de dados

Este indicador analisa a variedade de dados disponíveis no Portal Nacional refletido pelo número de editores, os domínios de dados disponíveis, e na medida em que o portal também fornece acesso a dados em tempo real e agregados por gênero. O indicador também examina a popularidade dos conjuntos de dados e dos domínios disponíveis, bem como as razões por trás da popularidade de determinados conjuntos de dado.

Quanto à variedade de dados fornecidos, os 2018 resultados são muito bons e mostram desenvolvimentos positivos de anos anteriores. Quanto aos dados dos fornecedores que publicam no Portal Nacional, os 26 portais examinados fornecem dados que vêm de mais de 10 titulares diferentes.

Em 20 casos (77%), os proprietários do portal puderam fornecer estatísticas sobre os 5 dados mais consultados. Isso representa um aumento em comparação com 2017, quando apenas 16 proprietários de portais foram capazes de fornecer essas informações.

Em 2018, o domínio de dados mais popular foi o governo e setor público com 58% dos países mencionando-o em seu Top 5, seguido pela população e as condições sociais, mencionado por 50% países. Seguido de perto pelos dados do setor de energia e meio ambiente.

  • Portal de sustentabilidade:

O quarto indicador nesta dimensão refere-se à medida em que existe uma estratégia implementada para garantir a sustentabilidade do portal, o tipo de modelo de recuperação de custos seleccionado e a medida em que os modelos de financiamento foram utilizados alternativas para o portal nacional em apreciação.

19 dos 26 proprietários do portal (73%) afirmam que tal estratégia existe a nível nacional. No entanto, essa estratégia parece estar limitada à menção do portal na estratégia de dados abertos. Uma estratégia distinta que define as medidas necessárias para garantir que a sustentabilidade do portal ao longo do tempo.

Olhando para o modelo de financiamento utilizado, todos os portais nacionais existentes baseiam-se em fundos exclusivos para o orçamento do estado. Além disso, apenas 4 proprietários de portais indicaram que foram explorados modelos alternativos de financiamento (Áustria, República Checa, Grécia e Polónia).

Quanto às atividades para melhorar a visibilidade e o uso do portal, 17 dos 26 países afirmam que organizam ou frequentam eventos e conferências para promover o portal nacional. Além disso, apenas 12 proprietários de portais ou administradores realizaram uma pesquisa de satisfação do usuário no ano passado. 2 outros proprietários do portal indicaram que eles têm planos para conduzir essa pesquisa em seu portal no próximo ano.

Esses números são bastante modestos e mostram que há uma falta de conscientização e recursos adicionais para permitir tais atividades. À luz do que precede e tendo em conta o financiamento garantido proporcionado pelo orçamento do estado, a questão da sustentabilidade não parece estar entre as prioridades dos proprietários de portais em toda a Europa.

Embora os proprietários do portal europeus compreendam cada vez mais os seus portais como os principais “nós de interacção” entre o lado da oferta e da procura de dados abertos no seu país, ainda há um âmbito significativo para melhorar, para isso, os gerentes do portal precisam intensificar seus esforços e alcançá-los, a fim de refletir essa nova mentalidade.

O impacto dos dados abertos

O objetivo de gerar impacto, seja político, econômico ou social, é o condutor por trás da maioria das iniciativas de dados abertos. Demonstrar impacto ajuda a criar um círculo virtuoso para maior publicação e reutilização de dados e também fornece informações adicionais para que as administrações públicas estejam motivadas a publicar mais dados, como podem ver em primeira mão as formas como os dados podem ser transformados em valor para os cidadãos, as empresas e a sociedade como um todo.

Isso também funciona como um “business case” para gestores de administração pública responsáveis pela alocação de recursos (financeiros e humanos) para possibilitar a publicação de dados de alta qualidade.

  • Impacto político

Em 2018, 14 Estados-membros da UE (52%) realizaram algum tipo de actividade para monitorizar e demonstrar o impacto político dos dados abertos no seu país. Este número não foi alterado dos números 2017.

Por exemplo, na Letónia, os relatórios sobre o impacto político são apresentados ao Conselho da sociedade da informação, presidido pelo primeiro-ministro. Na Roménia, foram realizados inquéritos a forma de questionários e entrevistas para avaliar o conhecimento dos dados abertos, bem como o nível de reutilização destes dados nas administrações públicas. Atividades semelhantes foram realizadas na Bulgária, onde o governo nacional realizou uma série de estudos de caso, entrevistas e inquéritos para avaliar os efeitos positivos da publicação de dados.

Em Espanha, as investigações periódicas são efectuadas através de um questionário em linha sobre diferentes entidades administrativas públicas, solicitando-lhes que identifiquem os casos de utilização em que reutilizam este tipo de informação.

Em termos de eficiência e eficácia, foram desenvolvidos vários pedidos baseados em dados abertos em toda a Europa, com o objectivo de ajudar a simplificar a burocracia entre os cidadãos e o governo, promover a autogestão e libertar recursos dentro do administrações públicas.

  • Impacto social

Durante este ano, apenas 11 Estados-Membros (41%) realizaram actividades para monitorizar o impacto social dos dados abertos. Alguns exemplos interessantes de atividades empreendidas para promover o impacto social dos Open Data vêm da Irlanda.

O departamento de educação fornece financiamento para uma série de iniciativas e projetos destinados a identificar soluções políticas para grupos marginalizados, como projetos voltados para a integração e o emprego dos migrantes, e a promoção da igualdade Gênero.

Em relação ao impacto dos dados abertos sobre a sociedade em geral, 11 países consideram que a adoção de estratégias baseadas nesse tipo de dados tem tido um alto impacto na sociedade do país.

A França é um bom exemplo para demonstrar como um bom investimento em uma estratégia baseada em dados abertos pode ser enorme. Através da iniciativa “dados para o bem”, a comunidade de cientistas de dados, desenvolvedores e voluntários que oferecem suas habilidades digitais para servir projetos sociais.

Dentro deste contexto, no início 2018 “Sherpa” foi introduzido uma ferramenta destinada a orientar um usuário cego para o ponto de ônibus mais próximo, especificando os destinos servidos eo calendário do futuro passa através de um fone de ouvido Bluetooth, graças a todos os dados relativos aos transportes públicos.

  • Impacto ambiental

Em termos de atividades para monitorar os benefícios ambientais do Open Data, apenas 11 países afirmaram realizar tais atividades em 2018.

Um exemplo disso é a Itália, um país em que o Ministério do meio ambiente, terra e mar lançou seu próprio portal em 2018, fornecendo informações sobre avaliações ambientais e autorizações concedidas às empresas. Além disso, para organizar vários fóruns e eventos a nível municipal para apoiar o uso de Open Data no campo ambiental.

Apesar dos benefícios que pode anular, quando os países são convidados a avaliar o impacto dos dados abertos sobre o ambiente, 11 países consideram que ele seja alto, 8 descrevê-lo como médio e 6 países não têm provas suficientes para avaliar o impacto ambiental do uso de dados abertos.

  • Impacto econômico

Mostrar o impacto econômico dos dados abertos é essencial para reunir um maior apoio para continuar a criar estratégias baseadas nesse tipo de dados. Por 2020, estima-se que o tamanho do mercado de dados abertos aumente em 36,9% para um valor de 75.700.000.000 euros, representando um crescimento anual de mais de 8%, de acordo com um estudo realizado pelo Portal Europeu de dados.

O mesmo estudo estima que o número de empregos criados através de projetos de dados abertos chegará a 100.000 por 2020. Em torno do 20% será trabalhos diretos por dados abertos.

Qualidade de dados abertos

É importante reconhecer onde a qualidade dos dados abertos influencia a automação, a confiabilidade e a conformidade em termos do padrão de metadados DCAT-AP.

O indicador de automação analisa a disponibilidade e a efetividade da abordagem usada pelos países para garantir que os metadados que descrevem os conjuntos de dados disponíveis sejam atualizados regularmente.

Em 2018, 77% dos portais nacionais afirmaram que estabeleceram uma abordagem predefinida para garantir o valor dos metadados e dos dados propriamente dito.

Apenas a Itália e a Bélgica declararam que todos os metadados são carregados automaticamente, em 5 outros países (República Checa, Alemanha, Países Baixos, Espanha e Suécia), mais de 90% do carregamento de metadados é efectuado automaticamente, enquanto que, na Irlanda, na Eslovénia, França, Finlândia, essa figura é entre 70% e 79%. Do lado oposto estão a Áustria, Chipre, Dinamarca, Estónia, Grécia, Letónia, Lituânia, Polónia, Roménia e Eslováquia, que declaram que menos de 30 dos metadados são carregados automaticamente.

Conclusões

Os resultados de 2018 são os melhores resultados que a Europa obteve em termos de maturidade de dados abertos, bem como os melhores resultados em cada uma das quatro dimensões.

Destaca não só as diferentes velocidades em que a Europa se movimenta, mas também o foco diferente em que cada país optou por conduzir a sua transformação de dados abertos.

Embora os diferentes níveis de maturidade e áreas de enfoque de cada país sejam tidos em conta, os resultados destacam uma urgência geral para garantir a publicação de dados de alta qualidade para ajudar a impulsionara reutilização, bem como uma necessidade urgente de aumentar a conscientização estratégica do impacto gerado pelos dados abertos.