Indústria 4,0: tendências em 2017

  • Manufatura avançada, sistemas inteligentes de otimização, automação, flexibilidade e digitalização em processos de controle, serão algumas das soluções a serem consideradas este ano.
  • Adotar e implantar sistemas remotos possibilitará o trabalho em tempo real, economia de tempo, melhor qualidade e produtividade em muitas operações.

Os avanços contínuos na indústria espanhola destacaram a importância de se adaptar à chamada indústria 4,0. O objetivo da transformação digital não é mais do que facilitar a vida do dia-a-dia dos trabalhadores e intermediários, reduzindo os custos de produção. A keyland, empresa pertencente ao Vector ITC  Group e Grupo Antolín, aponta para as tendências que estão redefinindo esta indústria.

Aumento das soluções de tecnologia incorporada com múltiplas aplicações

Haverá um aumento significativo na implementação e adoção de ferramentas tecnológicas, para facilitar tanto a gestão da manutenção remota de produtos e equipamentos, bem como a autogestão. A evolução tecnológica dos sistemas de controlo, dos sensores e da Iteligência Artificial, juntamente com as novas tecnologias que incorporam a Internet das Coisas, tornou possível a produção de produtos e equipamentos autogeridos, em parte ou no total, oferecendo grandes vantagens para os fabricantes e clientes, com diferentes aplicações.

Essas ferramentas permitem que você otimize e automatize o serviço pós-venda por meio de coleta remota de informações sobre produtos/equipamentos, com alertas, alarmes e outras funções. Além, permite que você aja remotamente no produto/equipamento para resolver problemas ou para impedir dano principal ou para melhorar seu desempenho

Neste sentido, os serviços remotos serão incorporados tanto do próprio fabricante como de terceiros. Dessa forma, você pode dar visibilidade ao produto/equipe através de portais, aplicativos de serviço, que relatam em tempo real a situação do mesmo, e onde até mesmo os clientes podem solicitar ou ativar componentes ou serviços remotos adicionais. Essas ferramentas melhoram a adequação do produto/equipe às necessidades e ao comportamento do cliente

Manufatura avançada

Sistemas cibernfísicos já em muitas empresas estão se expandindo, transversal e verticalmente. Primeiro para a facilidade de sensoriamento de e controlar todos os elementos para otimizar a medição e controle, bem como o planejamento de operações industriais, e em segundo lugar, melhorando a integração com outros sistemas e plataformas, tais como a realidade aplicativos de mobilidade e soluções avançadas de otimização e tomada de decisão, como para análise de tendências e sistemas de previsão. Jorge Pereira, CEO da Keyland, diz Jorge Pereira. Esses conjuntos avançados de recursos dentro do ambiente industrial foram incorporados em sistemas tradicionais, resultando no que é conhecido como manufatura avançada.

Sistemas de otimização inteligentes

Um dos maiores avanços tem sido no campo de sistemas inteligentes, que podem ser úteis para processos produtivos, manutenção de equipamentos e instalações, rotas (internas/externas), planejamento e predição e otimização de recursos.

Esta revolução não vem do avanço das técnicas de estatística, preditiva, simulação ou otimização e algoritmos, mas por causa da capacidade tecnológica de processar maciçamente grandes volumes de dados, e realizar cálculos ou análises de forma rápida e dinâmicas (as variáveis de cálculo em tempo real são alteradas e as simulações são executadas). Outra evolução significativa tem sido a capacidade de algumas tecnologias para coletar e armazenar um grande volume de informações (milhões de dados), e agora, além de serem eficientes, são tecnologias relativamente baratas e escaláveis.

Automatização e flexibilidade

A indústria 4,0 caracteriza-se pela forma como reuniu uma série de novas tecnologias integrando-as com as atuais para melhorar os processos industriais. Neste sentido, a impressão 3D, por exemplo, permitiu a produção de componentes, ferramentas ou novos designs em tempo real, relativamente barata e adaptada às necessidades específicas

Esta automatização também levou ao advento da robótica colaborativa, que permite incorporar em ambientes abertos de automações que tradicionalmente não eram viáveis. Por exemplo, para manuseio manual de peças de alto peso, realizando tarefas de picking repetitiva, controle visual de acordo com o tipo de peça ou requisito, ou soldagem em situações complexas.

A flexibilidade destes processos permite a sensorização e a ação em pontos de controle específicos, que se integra com sistemas de posicionamento inteligentes e permite trabalhar com informações em ubiqüidade e em tempo real, automatizando operações, tendo meias, e outros processos.

AGVs, sistemas autoguiados para o transporte de ferramentas ou equipamentos, ou sistemas de Telecare/telemaintenance móveis com vídeo e áudio também são evoluções, já altamente implementadas, que economizam tempo e melhoram a qualidade e a produtividade em muitas operações

Digitalização de processos de controle

Muitos dos processos de controle, qualidade e coleta de informações têm sido tradicionalmente vistos como processos manuais, devido à complexidade deles, à dificuldade de operar em tempo real com os HMIs em diferentes localidades, ou à falta de mobilidade de alguns equipamentos. Melhorar as operações omnichannel e novos dispositivos de trabalho, como tablets industriais, óculos de realidade aumentada ou capacetes, e sua integração em novas interfaces de usuário melhoraram significativamente a qualidade e mecanismos de facilidade e controle para essas operações.