Formação, sensibilização e tecnologia, os pilares para combater as ciberameaças

Este ano tem havido alguns dos ciberataques mais importantes das últimas décadas, como o vírus WannaCry ou Petya. Essa tendência ascendente, aliada ao fato de que esses ataques são cada vez mais profissionalizados e, portanto, têm um maior nível de risco e dificuldade, torna indispensável para as empresas investirem em estratégias de cibersegurança. Neste campo, a Vector ITC, através da sua equipa de cibersegurança, participou na Cyberweek da Catalunha.

Cyberweek, um dos principais eventos tecnológicos na Catalunha na área de informática, reúne muitas das empresas especializadas em cibersegurança, a fim de apresentar novas soluções de estratégia para combater os ataques de computador. “A relevância desses eventos está aumentando, já que hoje 32% das empresas espanholas reconheceram ter sofrido algum ciberataque durante os últimos 2 anos. Esses dados coloca a Espanha como o 3º país do mundo que recebe a maioria dos ciberataques“, diz Ernesto Sánchez pano, consultor de cibersegurança da Vector ITC Group. Ernesto Sánchez também foi encarregado de apresentar a apresentação“infecções via BadUSB“.

A apresentação mostra como infecções ou ataques no computador podem ocorrer através de um pendrive ou qualquer outro dispositivo conectado ao PC via USB. Vector ITC também explora os diferentes tipos de ataques que podem ser realizados através deste método, bem como as possíveis contramedidas disponíveis para tentar combatê-los. “Se por um dia há uma perda de serviço devido a um ciberataque, há perdas de centenas de milhares de euros. No entanto, os aspectos mais prejudiciais são intangíveis, como o impacto negativo na experiência do cliente ou na reputação da empresa“, diz Iván Lastra, chefe de cibersegurança do Vector ITC Group.

Uma estratégia de cibersegurança abrangente

No Vector ITC Group,” Lastra continua, “Estamos empenhados em integrar uma estratégia de cibersegurança abrangente que abrange todas as áreas possíveis” Nesse sentido, a Vector baseia sua estratégia de cibersegurança em 3 pilares: conscientização, capacidade tecnológica e pessoas.

  • Consciência: é a base para apoiar uma boa estratégia de cibersegurança. É necessário investir tanto na formação dos colaboradores como no desenvolvimento de novas e melhores soluções e serviços tecnológicos.
  • Tecnologia: a capacidade tecnológica é um aspecto diferenciador. Vector ITC Group desenvolveu a plataforma de vigilância Vector Deep, a fim de oferecer aos seus clientes um novo modelo de gestão de cibersegurança. É uma plataforma que recolhe todas as informações dos computadores, dispositivos, redes, comportamento dos nossos clientes… para ser capaz de prever, prevenir, detectar e responder a qualquer vulnerabilidade.
  • Pessoas: talento é um ingrediente indispensável nesta equação. Ter uma equipe de especialistas em segurança cibernética fornece as salvaguardas necessárias para garantir a segurança do cliente.

Hoje, as violações de dados e vazamentos chegam a empresas e instituições em todo o mundo. Independentemente de sua origem, ou seja, se a informação vazou do pendrive pessoal de um colaborador, ou que os cibercriminosos exploraram vulnerabilidades em um servidor para inseri-lo e roubá-lo, destacando a importância de Leve a sério a cibersegurança, pois é a única maneira de manter o malware longe de servidores, nuvem e dispositivos móveis.